Oz: Mágico e Poderoso, Oz: The Great and Powerful (2013)


Oscar Diggs, mais conhecido como Oz, (James Franco) é um medíocre mágico de um circo mambembe, sem ética, mas com o grande sonho de se tornar magnífico.

Tem como ídolo o cientista Thomas Edison, inventor da lâmpada elétrica, do fonógrofo e do cinescópio.

Após uma apresentação catastrófica em Kansas, e com problemas devido a suas investidas sobre as mulheres, ele acaba tendo que fugir do circo em um balão, que é levado por um tornado até a magnífica Terra de Oz.

Chegando a Terra de Oz, sua primeira impressão é que ali vai adquirir fama e fortuna, mas, o que não sabe, é que terá de enfrentar as feiticeiras Theodora (Mila Kunis), Evanora (Rachel Weisz) e Glinda (Michelle Williams) no mundo encantado.

 Relutantemente envolvido nos problemas da Terra de Oz e de seus habitantes, ele precisa descobrir quem é a bruxa má e quem é a bruxa boa.  

Lançando mão do ilusionismo e com a ajuda de alguns habitantes da Terra Mágica (o macaco voador Finley, uma bonequinha de porcelana cheia de personalidade e um inventor da Terra de Oz), Oz se transforma não apenas no grande e poderoso Mágico de Oz, mas também descobre a bondade em seu interior.


 Oz, Mágico e Poderoso: Trailer


Através de uma narrativa linear, caminhamos na Terra Mágica de Oz, 20 anos antes da chegada de Dorothy, da obra original de L. Frank Baum - O Mágico de Oz, de 1939. 

A decisão do diretor Sam Raimi de apresentar a vida de Oz no Kansas em preto e branco, com uma projeção menor, e a explosão de cores e tela cheia assim que o mágico chega a Terra de Oz, me sugeriu um mergulho no inconsciente.

A transição do mundo consciente, monótono e sem perspectivas do protagonista, para o mundo do inconsciente, aquilo que ele sempre almejava – fama e fortuna. 

O próprio nome da Terra Encantada, Oz, mostra nada mais nada menos que aquele é o seu mundo desconhecido e encantado, o seu subconsciente. 

Ao mesmo tempo, o inventor que vivia na Terra de Oz, o macaco voador Finley e a bonequinha de porcelana com as perninhas quebradas que ele conserta, são, respectivamente, a representação de seu ídolo Thomas Edison, de seu ajudante  Frank, e da garotinha paralítica que o pede para fazer uma mágica para que ela possa voltar a andar.

Este era o seu desejo subconsciente. Ter Thomas Edison a seu lado, assumir que Frank era seu melhor amigo, e poder fazer a garotinha voltar a andar. 

O cenário colorido, com paisagens belíssimas, nos transporta junto a Oz em seu mergulho no inconsciente.

E ele aprende a grande lição – é necessário lidar com nossas sombras, nossos medos, e não ignorá-los, para poder vir a se transformar em uma pessoa melhor e bem resolvida. 

No final, Quando Oz entrega os presentes para seus amigos, o filme faz uma alusão a que qualquer ser humano pode vir a ser Mágico e Poderoso, sem necessitar de poderes sobrenaturais.

Basta ouvir a voz do coração e perceber o que cada um procura dentro de si mesmo.

Desta forma encontra-se a paz e a felicidade que tantos almejam.

Um filme para adultos e crianças.

Mais uma aventura fantástica da Walt Disney Pictures.
 

Título Original: Oz: The Great and Powerful
Direção: Sam Raimi
Elenco: James Franco, Mila Kunis, Michelle Williams, Rachel Weisz, , Abigail Spencer, Joey King, Zach Braff, Bill Cobbs, Martin Klebba, Ted Raimi
Produção: Joe Roth
Roteiro: Mitchell Kapner, David Lindsay-Abaire,
Fotografia: Peter Deming
Trilha Sonora: Danny Elfman
Duração: 128 min.
Ano: 2013
País: EUA
Gênero: Fantasia
Distribuidora: Disney
Estúdio: Roth Films 
Torrent
  
 Curiosidades 
- Mais de três mil adereços foram usados no filme, com 1,4 mil deles fabricados especialmente para a produção. Isso sem incluir as cinco mil moedas que o aderecista-chefe Russell Bobbitt fez para encher a sala do tesouro de Oz.
Um lado da moeda traz a imagem da Estrada de Tijolos Amarelos e o outro, uma imagem do autor L. Frank Baum. 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...